Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não Me Façam Perguntas Difíceis a Esta Hora

Um blog sobre os gostos literários, televisivos e cinematográficos de alguém que tem muitas aventuras para partilhar com a sua Baby e sem ela...

Não Me Façam Perguntas Difíceis a Esta Hora

Um blog sobre os gostos literários, televisivos e cinematográficos de alguém que tem muitas aventuras para partilhar com a sua Baby e sem ela...

26.04.20

Sobre o Livro #37 A Outra Mulher


Tânia Oliveira

" A Outra Mulher é desde já um clássico

que consagra Daniel Silva como um dos melhores romancistas de espionagem

que o género alguma vez conheceu."

CrimeReads 

Wook.pt - A Outra Mulher

(imagem copiada do site da wook)

Daniel Silva é um dos meus autores preferidos, no que toca a livros de espionagem/mistério/thrillers. Ele conseguiu criar um universo, que inclui diversas personagens complexas, ora amadas ora odiadas. E quando achamos impossível Daniel Silva inovar, fá-lo tanto com novas personagens, como com aquelas já existentes. É um dom que poucos autores possuem, ou que pelo menos, é aplicado de forma tão eficaz. 

Neste livro, Gabriel Allon é chamado mais uma vez a intervir, depois de uma operação que estava a gerir ter dado para o torto. Este evento vai desenrolar toda uma história para descobrir um espião russo que se encontra no Ocidente, prestes a conseguir um lugar com muito poder. Esta é a sinopse do penúltimo livro dele. O último livro dele é a Rapariga Nova. 

O que mais gostei neste livro?

A escrita de Daniel Silva para mim é mágica, chega mesmo a ser melodiosa. Como já li os livros todos da saga #GabrielAllon (só me falta o último), gosto de reler sobre as personagens que surgiram logo do início, Gabriel, Shamron. Como também gosto de conhecer as personagens mais vis, que aparecem em cada aventura ou que por vezes, reaparecem. Se os bons são bons, os maus são piores ainda. 

Nos livros dele, o mistério e os plots twists andam de mãos dadas. Não podemos dar nada por garantido, somos surpreendidos pelas reviravoltas constantes. Como nos livros anteriores, a linguagem é acessível, a escrita é fluída e mesmo tendo por vezes, algumas componentes culturais ou históricas, não são explicadas até à exaustão. Este aspeto é dos que me agrada mais porque não é algo que é muito fácil de fazer pelos escritores. 

O que não gostei neste livro?

Nada. Acho que é o meu lado fã a falar, mas não encontro aspetos negativos. No dia que encontrar, direi. 

Gostam dos livros do Daniel Silva? Qual é a vossa personagem preferida?

Comentem aqui, 

no twitter @@Blog_NMFP,

no insta @naomefacamperguntas

Kisses,

Tânia Oliveira

5 comentários

Comentar post