Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Não Me Façam Perguntas Difíceis a Esta Hora

Um blog sobre os gostos literários, televisivos e cinematográficos de alguém que tem muitas aventuras para partilhar com a sua Baby e sem ela...

Não Me Façam Perguntas Difíceis a Esta Hora

Um blog sobre os gostos literários, televisivos e cinematográficos de alguém que tem muitas aventuras para partilhar com a sua Baby e sem ela...

13.10.19

Ontem, viste o episódio? #18 American Crime Story - O Assassinato de Gianne Versaci


Tânia Oliveira

Hello :)

#IBlogEveryDay - Day 7 (também -com muito- atraso, eu sei). 

Como expliquei no post anterior, American Crime Story é uma série que expõe os casos criminais mais mediáticos ou polémicos que ocorreram nos EUA. Se o primeiro post foi sobre o assassinato de Nicole Brown Simpson e Rob Goldman, hipoteticamente, assassinados pelo inocentado OJ Simpson, estrela do futebol americano; este segundo post será o sobre o assassinato do famoso estilista da casa Versace, Gianni Versace. Esta série foi baseada na obra Vulgar Favors: Andrew Cunanan, Gianni Versace, and the Largest Failed Manhunt in U.S. History  escrita por Maureen Orth, em 1999.

O título da série pressupõe que a série é sobre o assassinato do estilista da Versace, contudo a série debruça-se em demasia sobre o criminoso, o seu passado, os seus crimes e a forma como ludibriou a polícia. O seu assassino era Andrew Cunanan, considerado um assassino em série visto que, no total, assassinou 5 pessoas (incluindo Versace). Andrew Cunanan foi interpretado por Darren Criss, a verdadeira estrela desta série em conjunto com a brilhante interpretação de Donatella Versace, por Penélope Cruz.

Andrew Cunanan foi caracterizado como um génio, gay reprimido, mentiroso compulsivo e com desejos de grandeza incapaz de concretizar sem o dinheiro dos amantes que ia adquirindo ao longo da vida. Toda esta personalidade disfuncional estava escondida atrás de um discurso brilhante e eloquente. O espetador só entende a magnitude da disfuncionalidade desta personagem, quando conhece as origens familiares deste assassino. Assim que conhecemos como foi educado, percebemos a razão de ele possuir um discurso tão eloquente e ser um orador em tantos temas. Entendemos o porquê da necessidade de ser o centro das atenções e exibir-se sem qualquer género de preconceito na escola. Compreendemos o porquê de ser um gay reprimido e de consequentemente, em conjunto com todos estes fatores ter-se tornado num famoso assassino. Já que a sua grande ambição era mesmo essa a fama. Todavia, todos estes detalhes vão sendo dados ao espetador em pequenas amostras. Darren Criss, através de ações não-verbais como o olhar vazio, a frustração ou mesmo os gestos, levou a que esta série ganhasse qualidade. 

Porém, a qualidade da série não se prende somente à prestação de Andrw Cunanan, a interpretação de Penélope Cruz foi brilhante. A transformação, a pronúncia, a postura, a demonstração pública de poder em contraste com a fragilidade do luto privado, tudo isto fez com que ela partilhasse o protagonismo com Darren Criss, sem ser preciso exigir. Por outro lado, as interpretações do próprio Versace e do seu companheiro de longa data foram somente razoáveis. Esperava um pouco mais de dramatismo, de extravagância por parte do ator, Edgar Ramírez, que ficou com o papel de Gianni Versace. 

Para além de todas estas interpretações, é preciso entender o contexto social da época, em que estes assassinatos ocorreram. Eram os anos 90, preconceito contra os seropositivos, contra a SIDA, contra qualquer tipo de pessoa que tivesse uma orientação sexual diferente da norma, do exibicionismo, da vontade de sair do armário, mas ser julgado pela sociedade. Uma cena em que este aspeto está bem retratado é quando Andrew confessa à mãe que não terá filhos e ela, católica, não entende o porquê de ele dizer aquilo. Apesar de suspeitar o porquê, mas no fundo, não querer admitir. Todos estes fatores foram condicionantes na perseguição de Andrew Cunanan. A polícia parecia ter medo de questionar sobre a dualidade da sexualidade dos envolvidos, por exemplo. 

A série está razoavelmente bem feita. Na minha opinião, os aspetos positivos são as interpretações de Darren Criss e Penélope Cruz, os diálogos e a forma como o passado de Andrew foi retratado. Os elementos menos positivos foram as interpretações dos outros atores, como também o título da série induzir, seriamente, o espetador em erro. 

Se vale a pena ver? Vale, se fores fã de séries policiais e criminais. Se é urgente veres? Nem por isso. Mas ainda assim vejam a série e o porquê de Andrew Cunanan não se entregar. Para mim, lógica e naturalmente, ele nunca se entregaria. 

Quem é já viu a série? Gostaram ou também tiveram sentimentos controversos?

Digam o que acharam e partilhem nos comentários em baixo ou na publicação do instagram. :)

Kisses,

Mummy.