Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não Me Façam Perguntas Difíceis a Esta Hora

Um blog sobre os gostos literários, televisivos e cinematográficos de alguém que tem muitas aventuras para partilhar com a sua Baby e sem ela...

Não Me Façam Perguntas Difíceis a Esta Hora

Um blog sobre os gostos literários, televisivos e cinematográficos de alguém que tem muitas aventuras para partilhar com a sua Baby e sem ela...

18.10.19

Sobre o Livro #16 O Bibliotecário de Paris de Mark Pryor


Tânia Oliveira

Hello.

#IBlogEveryday - Dia 13

#booksweek

O sexto livro da #booksweek é sobre o livro O Bibliotecário de Paris de Mark Pryor.

89871354_801736013669259_2966116745468706816_n.jpg

Antes de começar a dar a minha opinião sobre este livro, devo confessar algo que todos os amantes de livros já se confrontaram: quando não se gosta de uma história, seja qual for a razão, abandonas ou continuas ou retomas mais tarde? Antigamente, eu fazia um esforço e continuava, mas há alguns anos que já não faço esse esforço. Se a história não me atrai ou por causa do enredo ou porque não estou preparada para a ler, devido a qualquer motivo, ou meto em pausa e retomo mais tarde ou pura e simplesmente abandono. Devo dizer que neste caso, continuei por pura curiosidade porque a minha vontade era ter abanadonado ao fim de 4 capítulos.

A obra fala sobre um assassinato que ocorreu numa biblioteca em Paris. Era isto que a sinopse do livro deveria dizer. Assim o leitor comprava a obra, sem se sentir enganado. Eu sou fã de histórias de espionagem, suspense, thrillers e se ainda por cima, a história se passar durante a Segunda Guerra Mundial, eu deliro. Qual não é o meu espanto quando um grande mistério que liga uma atriz a um oficial nazi não passa disso de uma ligação. O autor promete todo um drama, constrói um suspense à volta deste assunto para depois o leitor chegar à conclusão de que não passa disso mesmo: UM NÃO-DRAMA!

A obra tem 328 páginas, mas se tivesse só 50 ou 100 não se perdia absolutamente nada porque a resolução do crime fazia-se, perfeitamente, nesse conjunto de páginas. Aliás, a capa engana, o "não-drama" engana. A história nem sequer está bem construída, está enfadonha, as personagens e os diálogos são tão óbvios que me fizeram doer a alma.

Não gostei e não recomendo. Só aviso não é uma história que te faça sentir que estás dentro da Segunda Guerra Mundial. Se alguém ler o livro que vá com as seguintes expetativas: é um livro sobre um assassinato ocorrido numa biblioteca de uma cidade linda em que as personagens parecem que não desenvolvem e fazem revirar os olhos aos leitores de cada vez que abrem a boca.

Mais alguém já se sentiu enganado por uma sinopse, capa ou autor?

Contem-me tudo nos comentários ou na publicação do instagram.

Kisses,

Mummy

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.